quarta-feira, 30 de abril de 2014

Somos todos macacos: Loducca pra presidente e Neymar pra vice contra as forças do preconceito, da Ditadura e da Dilma terrorista e comunista que não come bananas e sim criancinhas. (ou Crônica sobre o célebro).

Por Paulo Sandrini



po André Sant’Anna


#somostodosmacacos foi usado num lance tipo assim de oportunismo do Luciano Huck, depois que o Neymar saiu com essa parada na rede. E Huck é um macaco global e come globananas e talvez, talvez, globelezas, isso é o que dizem. Eu acho o Huck um cara incrível. O incrível Huck. Ele representa muito bem o lance da nação, o lance que é tipo assim... verde e amarelo.  Bem assim como sua mulher e esposa que é a Angélica que é outra global e come globananas, mas não come globelezas porque ela não curte essas parada de homoassexuados, e ela, a Angélica, mulher do Incrível Huck, ela, a Fátima Bernardes Angélica, ela também representa muito bem as cores do brasil que é um país verde e amarelo. Amarelo de banana, e verde de rúcula. Tudo isso regado a muito William Bonner, outro Incrível Huck que representa muito bem o lance nação verde e amarela. E então pode ser que a Angélica seja a Incrível Rúcula. E o Huck o Incrível Banana. Só que o Huck é um brasileiro macaco de primeira linha, ele fez até uma camiseta que custa 69 reais (a sexualidade brasileira implícita no preço, pois somos todos macacos que fazem muito sexo depravado e gostamos muito de bundas além de bananas, e fazemos tudo isso no meio da selva que é onde vivemos e passamos a vida toda, sem contar o calor dos trópicos que algumas vezes nos tira a vontade de trabalhar só deixando mesmo a vontade de trepar, e trepar é um lance de macacos, além, claro e óbvio, da vontade de comer bananas, mas porém contudo nós sempre trabalhamos, porque somos paus-mandados da colonização europeia dos europeus lá da europa que não comem bananas), e o Huck defende a honra de um povo macaco que é o brasileiro que come banana e agora é famoso no mundo inteiro por isso, por comer banana. O Huck também é um cara que divulga a boa imagem do brasil, ele põe lá no programa dele umas mina quase pelada sem roupas e faz a alegria da nação, fora as bananas, pois tem essas mina peladinha do Huck causando ereções mundo afora e corroborando a boa imagem da pátria de comedores de banana. Mulheres e bananas. Bundas e Futebol. Carnaval e Lutadores de MMA. Verde e Amarelo. Bundas. E eu gosto do Huck. E também do Hulk que é um jogador brasuca que já foi chamado de macaco lá em portugal, ou então foi lá na ucrânia que o Hulk foi chamado de macaco, sei lá, só sei que a ucrânia é um país que pertence à rússia que domina a parada toda lá daquele lado lá do mundo. Esses dias a rússia tomou a crimeia da ucrânia. Ninguém quis se meter na parada. Esses macacos brancos que se matem. Yes, nós comemos banana, além do fato de termos bananas pra dar e vender. A Carmen Miranda que era uma brasileira de portugal também era macaco e comia banana, e além do fato que reside no fato de ela cantar yes, nós temos banana, ela fazia muito sucesso nos EUA que é um lugar em que não se come banana, mas a Carmen Miranda, que era um brasileira de portugal, usou a cabeça e colocou nessa sua mesma cabeça uma espécie de cesta de frutas que tinha muitas frutas que são as chamadas frutas exóticas. A Carmen Miranda, no fundo no fundo, não comia banana. A Carmen Miranda era uma brasileira da europa que usava a cabeça. Fingia que comia banana e os EUAenses eles gostavam e acreditavam nisso. Mas na verdade quem sempre alimentou isso de comer banana talvez tenhamos sido nós mesmos, nós do mundialmente, agora, hoje, notório país de comedores de banana, nós que sempre pregamos o exotismo e a bunda como símbolos de identidade. Um país de macacos com bunda, enfim. Um país que agora além de comer bananas e de ser um país de macacos, agora, veja bem, é também um país politizado por causa da banana. E nossos maiores representantes de um discurso politizado contra o fato de falarem que nós somos macacos e por tabela (a tabela do campeonato espanhol) comemos banana, esses representantes são: primeiro o Neymar, que o Neymar é gênio e uma grande cabeça comedora de bananas pois o Neymar é brasileiro, diferente da Carmen Miranda que era uma brasileira que na verdade não era brasileira era europeia e que usava a cabeça não para comer banana mas pra colocar a banana em cima dessa cabeça, e falando do Neymar de novo, passando a bola pra ele, pra ele simular que sofreu uma falta, se atirar do galho feito macaco, e cair gemendo e se contorcendo pra ganhar um pênalti, só pra voltar no assunto que reside no fato de o Neymar ser o primeiro de uma lista de macacos muito politizados, bem: depois do Neymar, o número1 da lista e que usa no campo a camisa 11 (o Neymar , veja bem, é número 1 duas vezes, porque o Neymar é gênio e macaco e usa sua cabeça para comer bananas), depois do Neymar vem a Ivete Sangalo, o Michel Teló, a presidenta do brasil, a oposição da presidenta do brasil, os intelectuais do brasil e os formadores de opinião do brasil, que agora comem bananas no telejornalismo que é um jornal que não é de papel, é  jornal de tv, e se fosse de papel ao menos serviria para embrulhar bananas para nós os macacos comedores de banana levarem pra casa no alto da árvore. O Daniel Alves, que é o cara que realmente comeu banana no escanteio do campo, lá num campo da espanha (espanha que é um país todo certinho, bonitinho, só com gente legal, só com gente bonita (bonita o tempo todo, é bom que se diga), um país desenvolvido, de primeiro mundo, do mundo número 1, um país superior inclusive no futebol, pois ganhou muitas vezes 1 copa do Mundo, como é a França também e a Inglaterra, que são países número 1 e que ganharam os dois juntos duas copas do mundo, por isso foram ganhas por esses dois números 1 muitas 1 copa do mundo), ele, o Daniel Alves, que foi, repito, o cara que realmente comeu a banana, lá num jogo da espanha, espanha que é uma nação niquequando explorou a América Latina só não acabou com as bananas porque eles, os espanhois da espanha espanhola e hispânica, tinham um trabalho muito mais difícil do que comer banana que era o trabalho de matar os índios, que são comedores de banana, os índios que são os macacos, os índios que são os brasileiros, os brasileiros que são o povo feio e pobre e sujo e ladrão e secuestrador e extrupador e violento, estremamente violento (ou seria sequestrador sem trema e com q, estuprador sem x e r mais pra frente e extremamente sem s, com x?), burro e macaco que fica pulando nos galhos e fica pulando carnaval e fica pulando nas arquibancadas de pau dos nossos campos de futebol que ficam no meio da selva, aliás ser brasil reside no fato de ser um país inteiro só com floresta e muito bicho perigoso inclusive os macacos que somos nós os brasileiros, e os macacos só dividem espaço com as onças que vivem dentro das nossas casas comendo banana junto com as nossas famílias e com os macacos dentro de nossas casas, macacos que somos nós, e o Daniel Alves, o cara da banana, o verdadeiro cara da banana, não deu uma banana pra banana que um espanhol muito desenvolvido, número 1 e de primeiro mundo que é o mundo número 1, o Daniel Alves agora é o nosso macaco mais importante, apesar de ser o macaco que vem lá no fim da lista dos macacos politizados do país dos macacos, o Daniel Alves, por exemplo, vem depois do Neymar, da Ivete Sangalo e do Michel Teló, e o Daniel agiu bonitamente ao comer a banana e assumir nossa real e eterna condição de macaco, somos todos macacos, lá no escanteio do campo. E o escanteio do campo é uma metáfora, sim, uma metáfora (nós brasileiros que nos últimos anos crescemos na economia, no consumo e investimos muito em cultura e educação nas últimas décadas, e por isso então agora sabemos o que é metáfora, tivemos esse desenvolvimento educacional e cultural sobretudo a partir da Ditadura, que foi uma coisa boa pra muitos macacos brasileiros que querem que a Ditadura volte e se tivesse uma opção na urna eletrônica (o brasil é um país de macacos que usam urnas eletrônicas nas eleições, veja bem, urnas eletrônicas, e usa também casas feitas de papelão e pedaços de madeira que são as favelas, um país que usa urnas eletrônicas pra votar mas não usa encanamento pra fazer saneamento) os macacos, que somos nós brasileiros, se tivéssemos a opção de votar DITADURA, íamos com certeza votar, e a ditadura, essa candidata do Partido da Ditadura, ia ser uma mulher que ia substituir a Dilma, a Dilma macaca, que é comunista, terrorista,  comunista e terrorista e que come criancinhas,  a Ditadura, mulher da elite e bonita e rica e que anda armada, a dita Ditadura ia trazer muito mais pogréçu pá nois e ia ter muito mais banana pá nois os macaco comerem, com certeza), e a metáfora, o escanteio, lá onde o Daniel, falando do Daniel de novo, voltando ao Daniel lá no escanteio do campo, o Daniel lá no escanteio é a metáfora da nossa condição: o escanteio, a margem, a marginalidade e o subdesenvolvimento bananeiro de macacos que comem bananas. Somos todos marginais. E macacos. Mas o Daniel teve uma atitude louvável, digna de um macaco que vota em urna eletrônica, o Daniel pegou a banana, lá no pau de escanteio de um campo da espanha, uma banana jogada por um espanhol de primeira, de primeiro mundo que é o mundo número 1 do Mundo, o Daniel pegou e comeu a banana e continuou seu trabalho, que naquele momento era cobrar o escanteio pra ajudar seu time espanhol a ganhar a partida e se der o título do campeonato espanhol, ou a copa do rei, ou o torneio da catalunha, catalunha que quer ser um país de primeira dentro de outro país de primeira, que é a espanha, e veja bem, o Daniel, como todo bom comedor de bananas que não apenas faz sexo no calor da selva mas também gosta de trabalhar pro colonizador ibérico da península ibérica, continuou seu trabalho e cobrou o escanteio depois de comer a banana lá no pau de escanteio de um campo da espanha. E isso foi louvável. Não o fato em si que reside no fato de comer a banana, mas o fato que reside em continuar trabalhando. Nós, os macacos, somos uns animais que podem ser treinados e condicionados para continuar trabalhando mesmo em situações muito adversas. Somos macacos e não desistimos nunca. Pode até cair estádio durante e preparação da copa, pode morrer gente durante a construção dos estádios da copa, e nós mesmos podemos morrer mas vamos continuar no escanteio, eternamente no escanteio, comendo banana. E vamos engolir a banana bonitinho, quietinho, porque esse é o nosso papel no mundo, no nosso mundo que não é um mundo número 1 porque não é um mundo europeu, sei lá, e acho que até é, em partes, um mundo europeu. Por exemplo, no brasil temos muitos europeus que são os imigrantes, quem não é índio nem macaco nem negro ou asiático ou do oriente médio nem onça é imigrante, e esses europeus imigrantes vivem principalmente no sul do país de macacos que comem banana. No sul desse país de comedores de banana, que é o brasil, tem uns estados com esses europeus, um desses estados é o maior produtor de bananas do país dos comedores de bananas, um estado que é santa catarina. Não sei se os europeus de santa catarina plantam as bananas de santa catarina, mas uma coisa é certa: eles não comem as bananas. Do nosso ponto de vista eles não comem as bananas, ou não comeriam, já o ponto de vista dos europeus da europa, ponto de vista que reside no fato de serem esses europeus do brasil europeus brasileiros, ao contrário da Carmen Miranda, que é uma brasileira europeia, esses eurobrasileiros são macacos e também comem bananas, as bananas europeias de santa catarina. Veja bem, o que determina ser macaco não é a cor da pele ou do pelo, é o lugar em que se vive, ou onde se nasce. Um boer, que é um tipo de um holandês ou um tipo de europeu descendente dos calvinistas dos países baixos (que ficam lá em cima no mapa, e o lá em cima no mapa é a europa, que é top) e também dos  alemães, bem como de huguenotes franceses, e que vive na áfrica do sul, esse boer é um europeu sulafricano (hoje em dia, ele é só sulafricano porque antes ele foi o boerzão bonzão colonizador), por isso mesmo sua condição reside no fato de ele ser um boer-europeu sulafricano e assim sendo é um comedor de bananas, antes ele foi o opressor mas os descendentes dele, do boer bonzão, hoje são também macacos e não mais bonzãos. Pronto. E todo mundo que não nasceu no mundo que é o mundo número 1 do Mundo que é a europa branca e bonita e rica, sem crise e sem atrasos sociais e com muita dignidade humana, total dignidade, todo mundo que não nasceu lá é macaco comedor de bananas. Tem chinês macaco que come banana, tem indiano macaco que come banana, tem também os russos (meio europeus meio atrasados asiáticos), que são macacos que comem bananas (e que também atiram bananas no campo para os macacos brasileiros comerem), e esses macacos, que junto dos macacos do brasil e da áfrica do sul e agora os macacos da turquia que é um país meio europeu e meio atrasado e meio do oriente médio que é um lugar que só tem macacos que além do comerem banana também são terroristas, esses macacos juntos formam os macacos chamados de Brics, que é uma nova onda de polarização da economia mundial, em que os macacos do mundo meio-desenvolvido-meio-não se juntam para dividir o terreno da economia mundial (a nível mesmo agora de Mundo) com as chamadas potências do ocidente que são os EUA e a europa. E os macacos EUAenses e europeenses são uns macacos que não comem banana e também não levam desaforo pra casa. Eles são o macho alfa do bando de macacos que formam o mundo a nível mesmo de Mundo. Esses macacos da europa que não comem bananas não gostam muito dos outros macacos, aqueles que também, sobretudo dos macacos do brasil, que mandam, e têm muito orgulho disso, pro mundo a música do Michel Teló e da Ivete Sangalo e do Gustavo Lima que também é um cantor chamado Tchetchereretchetchê, cujo primeiro sobrenome é Aiseutepego e o segundo sobrenome é Euquerotchueuquerotchaeuquerotchutchatchatchutchutchá, e o brasil hoje é um país rico que é um país sem miséria de macacos metidinhos. O brasil vai dominar o mundo. O Brasil é o futuro. Um grande celeiro de alimentos, de água, de crack e de craques de futebol que são os jogadores macacos feito o Dani Alves e o Neymar e o Grafite e o Tinga. Nós só podemos exportar isso, essas coisas de Michel Teló e Ivete e Gustavo Tchetchereretchetchê e também os craques do futebol. O resto do tempo, nós temos que ficar comendo bananas e transando, que é um lance assim tipo assim de fazer sexo na floresta, no calor dos trópicos, para gerar jogadores de futebol e cantores a nível de Michel Teló e Ivete e o Gustavo Lima & Você, você que é macaco e é brasuca e comedor de banana e que vota na Ditadura, que é a candidata do Partido da Ditadura, uma mulher rica e bonita e elegante e que anda armada e que é muito melhor que essa Dilma feia, esse demônio terrorista e comunista e que come criancinhas mas apoia muito a causa dos que comem bananas que somos todos nós brasileiros, e índios e macacos e onças e europeus brasileiros, diferente da Carmen que é brasileira da europa. Nós gostamos de banana. De futebol. De deus, que é um lance muito brasileiro, pois o deus nasceu no brasil e isso reside no fato de ele ser brasileiro ou ao contrário. Nós gostamos da Ditadura. Nós gostamos, na verdade, e admiramos muito os espanhois e os europeus a nível de geral, pois admiramos o fato de eles não comerem banana, mas usarem a cabeça pra transformar as bananas num espetáculo exótico feito fez a brasileira da europa, a Carmen Miranda. Nós somos o povo do escanteio, que continua trabalhando mesmo sob os piores reveses, nós somos o povo que não desiste nunca, nós somos um país sem preconceitos, somos o país da miscigenação, mas também o país das cotas para os negros que além de negros são macacos para os próprios brasileiros macacos que não são negros, das cotas que a maioria dos macacos da própria classe dos macacos de classe baixa e oprimida não gosta. O brasileiro sempre vai privilegiar o mérito. Além de uma sólida democracia, o brasil também é o país da meritocracia que nunca precisou desse lance que reside no fato da política de cotas nas universidades, cotas para negros que comem bananas e que são os macacos para os outros brasileiros que não são negros mas que também são macacos. Somos todos macacos. E quem falou isso não foi o gênio do Neymar, que a nível de ser politizado é um grande jogador de futebol que também um dia vai comer a banana que o espanhol jogar pra ele no escanteio, isso quem falou, de sermos Somos todos macacos, foi o Loducca, o Celso Loducca, ou o pessoal da agência dele foi que falou, sei lá, só sei que a nível de propriedade a agência dele, do Loducca, pertence a ele, o Celso, que é um publicitário que a nível de publicidade é um excelente comedor de bananas. O Celso Loducca tem um lance de macaco esperto que percebe nos reveses uma chance de gerar o lance de marketing genial que nesse caso é o sermos Somos todos macacos. O Celso Loducca foi quem mandou o Neymar dizer isso de sermos Somos todos macacos na primeira oportunidade que surgisse, quando um europeu ou um peruano macaco jogasse uma banana no campo, perto do pau de escanteio, que nesse caso, de jogar banana, foi a banana pro Danialves, então o Loducca é quem é o mentor da macacada que joga futebol e que tem o célebro na ponta dos pés, e visto que pois se fosse o contrário, se o célebro deles estivesse na cabeça deles eles jogariam Headball e não o futebol, que é um lance ludopédico de jogar com os pés e que foram os ingleses que não são macacos que inventaram para dominar nossas mentes e fazer de nós puros macacos comedores de banana visto que os ingleses mal jogam o futebol, e quando jogam jogam mal, pois eles preferem o headball que é um lance de um jogo que reside no fato de ser jogado com a cabeça e não com os pés, lugar em que fica o nosso célebro de macacos,  e o headball que ainda não chegou aqui e que é um lance de jogar com a cabeça é o mesmo jogo que já conhecia a Carmen Miranda, que é uma brasileira da europa. A Carmen não comia bananas. Nós comemos. Somos pentacampeões do mundo de futebol e nos últimos anos fomos o país que mais ganhou o Prêmio Ignobel da Paz, da Ciência, da Tecnologia, da Literatura e todos os prêmios ignóbeis possíveis que são concedidos sobretudo por um país de primeira que é a suécia ou coisa parecida com a suécia. Yes, agora nós temos mais bananas e prêmios. Pra dar e vender. Somos o país do IPI e do QI reduzidos. E somos também credores do FMI. E o mundo logicamente vai nos pagar em: bananas. E o Celso Loducca, que foi o cara que ninguém fotografou nem filmou, e que foi o cara que jogou a banana pro Danialves comer, lá perto do pau de escanteio de um campo da espanha, jogou a banana como estratégia marketeira,  o Celso Loducca, junto do Neymar e da Ivete e do Michel e do Gustavo e do Daniel (por último) vai formar um novo partido político, que no final vai derrotar os preconceitos e também vai derrotar a Ditadura, que é a candidata do Partido da Ditadura, e também vai derrotar, nas urnas eletrônicas, que é um lance avançado em que os macacos condicionadamente apertam botões pra votar como se comessem banana, o Celso Loducca e seu partido também vai derrotar o Partido dos Trabalhadores Quem Continuam Trabalhando Mesmo Quando Jogam Bananas Pra Eles Comerem Perto do Pau de Escanteio Num Campo da Espanha, o Celso Loducca vai ser o Presidente do Brasil. Neymar pra vice. Daniel Alves, o último, vai terminar no Presídio da Papuda, e vai ser levado algemado pra lá num trem que parte do Metrô de São Paulo. E na verdade, na verdade, o cara que jogou a banana pro Danialves comer foi mesmo, na real realidade, a realidade dos fatos do real, foi mesmo o Luciano Huck. O Incrível Huck.
Você não viu, no cantinho da tela, o narigão dele saindo de cena? Ah, você não viu? Então, vai comer banana, seu macaco.


Paulo Sandrini - 30 de abril de 2014.

Pequeno Gianluca.