quarta-feira, 3 de maio de 2017

Território impreciso


(paulo sandrini)

Este território, ao qual não pertenço, é tudo o que existe agora. Vago. E indefinido. É só o que há. Nem mais um outro. O solo repleto de luz. A paisagem crestante. Demônios que tentam habitá-la. [habitar-me]. O caboclo velho e sua viola ríspida. O rosto marcado por veios feito vermes ao redor de olhos antigos. Com mais histórias que a História. As certezas e seus farelos ficaram para trás e não demarcam o caminho de volta. As certezas em um tempo esquecidiço. Em perspectiva, só o chão calcinante. E agora os passos em frente. Pelo território sem demarcações. Território de sal. Branco e lunar. Ao mesmo tempo, capilares verdes nascem de minúsculas fendas no piso ressequido. Um canto xamânico nas frestas da surdez de todo este silêncio. Um canto que se espalha e espelha o tempo que desconheço e a memória que não é minha. Nada mais é meu. E nada pode ser. Aqui, neste chão de luz intensa, o definitivo se dissolve. Nada é definitivo. Nem propriedade. Tudo flutua: nada pertence. E a permanência se liquefaz nas ondulações e mormaço do piso férvido. Os pés desmancham a cada passo. E a cada espaço de tempo, curto, um longo espaço de brilho. O sol a torrar minha lucidez estúpida. Nem lagos, nem sombras. O horizonte se esfumaça numa aquarela entre o branco e o cinza claro. Uma tintura aguada. Aplicada na paisagem por mãos febris de um deus de nuvens — nuvens ávidas por ligar temporalidades e planos infindos entre céu e chão. Céu e chão. O azul e a terra espessa, quase pedra. O azul e as minúsculas cavidades rochosas. O piso imperfeito para caminhadas incertas. Este é o terreno. E este sou eu. Que sigo mesclando-me às veias deste território tão impreciso quanto minhas lembranças. Ao mesmo tempo que filigranas de pó enchem minhas retinas de imagens úmidas. Pó e lágrimas. O que não chora se esvazia.

Sofrer  degolas  diárias  nos  faz  criar  cada  vez  mais  artérias. Nunca  tem  fim. A  vida  é  vermelha. A  crueldade é  branca. O  azul...