sexta-feira, 15 de maio de 2009

Um crônica do Karam

Fluke e a crítica da ração pura

10 Ago 2007 - 03:07

CRÔNICAS DE ALHURES DO SUL

Por Manoel Carlos Karam

Lidas pelo autor na BandNews FM 96,3 às segundas-feiras, entre seis da tarde e sete da noite, e na terça-feira de manhã - ou a qualquer momento em edição extraordinária.
(6 de agosto de 2007)


Eu não sofro de dog walkers elbow.
Esta doença é a dor que sentem no cotovelo aqueles que levam os cães para passear.
Passeio com o meu cachorro conduzindo o meu amigo pela coleira, mas não tenho dores no cotovelo.
Fluke, este é o nome do meu cachorro, nunca faria tal coisa comigo.
O escritor Paulo Sandrini descobriu que o meu cachorro é filósofo.
E que escreveu o livro “Crítica da ração pura”.
O filósofo Roberto Gomes, autor da “Crítica da razão tupiniquim”, aprovou com um sorriso.
E descobriu-se ainda que o cachorro-filósofo é também cachorro-romancista.
Segundo a jornalista Katia K, ele escreveu “Ração e sensibilidade”.
Enfim, tenho mais chances de sofrer dores no cotovelo virando páginas de livros de filosofia e romances do que levando o cachorro para passear.
Dog walkers elbow.
Sofrem dores no cotovelo muitos daqueles que levam cães para passear.
Mas dor-de-cotovelo é outra coisa.
Além de ser outra coisa, escreve-se com hífen.

Sofrer  degolas  diárias  nos  faz  criar  cada  vez  mais  artérias. Nunca  tem  fim. A  vida  é  vermelha. A  crueldade é  branca. O  azul...