domingo, 24 de maio de 2009

Houellebecq (duas traduções minhas)

“Seja destruído tudo o que tiver brilho.”

Os habitantes do Sol lançam sobre nós um olhar
[impassível:
À Terra pertencemos definitivamente
E aqui apodreceremos, meu amor impossível,
Jamais se tornará luz nosso corpo doente.



Garota

A garota de cabelos negros e lábios muito finos,
De quem tudo sabemos sem jamais tê-la encontrado
Além de nossos sonhos, pinça com gadanhos aquilinos
As tripas palpitantes de nosso ventre arrebentado.

Sofrer  degolas  diárias  nos  faz  criar  cada  vez  mais  artérias. Nunca  tem  fim. A  vida  é  vermelha. A  crueldade é  branca. O  azul...